segunda-feira, 29 de agosto de 2011

notas.

[estar sem máquina fotográfica irrita-me.]

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

E sempre que eu preciso de um bocadinho de amor, vem de ti, e eu meto-me a pensar: "Se toda a gente no mundo tivesse uma Maria como a minha, eram todos mais felizes".

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

pormenores doces.

O meu pai viu a minha mãe num concerto, e como não teve coragem de ir falar com ela, escreveu-lhe uma carta.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

dos passeios na Gulbenkian.

«Não ouvimos nenhum outro som. Não nos deparámos com mais ninguém. Vimos apenas dois cintilantes cardeais esvoaçarem sobressaltados do centro do prado e precipitarem-se para dentro do bosque. Enquanto deambulávamos, a Naoko falava-me de nascentes.»
Norwegian Wood, Haruki Murakami.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

do outro elemento.

geocaching

Hoje era dia de enfrentar um medo, e embora não tenha medo de alturas, aproveitei para desafiar-me a mim mesma nestas coisas da escalada. Acreditas que acabei por até gostar muito? Foi mesmo.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Podemos fazer o mundo girar ao contrário se quisermos.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Diria que é um coelho a beijar um anjo, ou uma sereia e um peixe muito grande.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Maria:
Os dias passam a correr e eu já não sei bem o que fazer comigo. Tenho lido muito, tenho passeado muito, tenho feito tudo o que posso para fugir de mim. Espero por uma carta tua, um vestígio teu, para acalmar o meu espírito sempre tão torturante e descontínuo. 

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Tenho muito medo de cães, sabias? Hoje tentei não ter, só por ti.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Tenho um mar inteiro a gritar o teu nome todos os dias, Maria. É mais teu do que de outra pessoa qualquer.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

E hoje era tudo o que precisava de ouvir.